20 anos de tradição e confiança

BOX, SACADA RETRÁTIL, ENVIDRAÇAMENTO DE SACADA, VIDRO TEMPERADO, VIDRO COMUM, BOX, BOX DE VIDRO, FECHAMENTO DE COZINHAS, FECHAMENTO DE LAVANDERIA, FECHAMENTO DE ÁREA DE SERVIÇO, MESA, TAMPO DE MESA, TAMPO DE VIDRO PARA MESA, TAMPO DE VIDRO, PORTA DE VIDRO TEMPERADO, PORTA DE CORRER DE VIDRO, GUARDA CORPO DE VIDRO, DIVISORIA DE VIDRO TEMPERADO, VIDRO LAMINADO, GUARDA CORPO COM TORRE DE INOX, CORREMÃO, CORREMÃO ESCADA

O VIDRO QUE VEIO DO CÉU

Fusão da areia causada por raio pode resultar em vidro. Existe um vidro natural chamado fulgurita, cuja origem se atribui a raios que tenham caído em solos de região desértica e arenosa com grande presença de sílica. A sílica, ou óxido de silício, é o principal componente dos vidros comuns e é, também, a substância mais abundante na crosta terrestre.

 

VIDRO E ENERGIA

Ao reciclar uma garrafa de vidro é economizada energia suficiente para acender uma lâmpada de 100 W por quatro horas.

 

VIDRO E RESISTÊNCIA

O vidro leva cerca de 4 mil anos para se decompor na Natureza.

 

O VIDRO NO BRASIL

Por aqui, a primeira oficina de vidro foi montada por quatro artesãos, que acompanhavam Maurício de Nassau, no período das invasões holandesas, entre 1630 e 1635. A região escolhida, claro, foi Pernambuco. A oficina fabricava copos, jarras, frascos e vidros para janelas, mas, infelizmente, não teve vida longa. Quando os holandeses foram expulsos, pois foi fechada com a saída dos holandeses das terras brasileiras.

O ano era 1810, quando o vidro voltou ao Brasil de maneira mais efetiva. Surgia a primeira fábrica de vidros, junto com a chegada ao País da Família Real Portuguesa.

Já em 1861 aconteceu a “1ª Exposição Nacional de Produtos Naturais e Industriais”, um evento promovido pelo governo imperial no Rio de Janeiro para mostrar aos estrangeiros que o Brasil não produzia só açúcar, café, algodão, cacau, couros e carnes salgadas. Ali foram exibidas garrafas, garrafões, frascos e globos para lampiões. Vidros e mais vidros, feitos totalmente por aqui. 

Foi só em 1895, que nasceu em São Paulo a Companhia Vidraria Santa Marina, que mais tarde se associaria ao Grupo Saint-Gobain e que deu origem ao que é hoje a Verallia.

 

VIDROS SAINT-GOBAIN

A primeira realização da Saint-Gobain foi a Galeria dos Espelhos de Versalhes, em 1665, época em que os espelhos valiam mais que os quadros de grandes artistas.

 

VIDRO E VELOCIDADE

Quando um vidro se quebra, os caquinhos se espalham a uma velocidade superior a 4.900km/h.

 

VIDROS E ÓCULOS

As primeiras lentes corretivas para a visão surgiram no século I d.C. Essas lentes eram feitas com pedras semipreciosas. Os óculos mais parecidos com os que conhecemos hoje, só surgiram em 1270, na Alemanha. Os óculos, com aros de ferro e unidos por rebites, ainda não possuíam hastes fixas.

No século XVII, foram inventados os óculos com suportes nas orelhas. Robert Grosseteste e Roger Bacon criaram os primeiros óculos modernos, mas foi Benjamin Franklin, em 1785, que inventou os primeiros óculos bifocais para enxergar de longe e de perto.

 

MICROSCÓPIO

Os primeiros microscópios simples, limitados à ampliação de uma única lente, foram construídos na metade do século XV e utilizados inicialmente para investigar o mundo dos insetos.

Por causa da dificuldade em produzir vidro puro na época, as lentes dos microscópios distorciam as imagens e contornavam-nas com halos e espectros de cores. Em 1590, o holandês Hans Janssen e o seu filho, Zacharias, montaram o primeiro microscópio. Era composto por uma objetiva de lente convexa e uma lente (de luneta) côncava.

Outro holandês, Anton van Leeuwenhoek (1632-1723), trabalhava numa loja de tecidos e, nas horas vagas, fazia experiências com vidro moído para produzir lentes.

Ele usava o microscópio para observar os fios e depois passou a examinar a anatomia dos menores animais conhecidos. Ele produziu microscópios tão eficientes que estabeleceu, praticamente sozinho, o ramo da microbiologia.

 

VINHO

A utilização de garrafas de vidro para armazenar vinho só começou no século XVII.

 

CRISTAL

O "cristal" como é conhecido aquele tipo de vidro mais transparente e de aparência nobre, na verdade não é um cristal. Cristais são substâncias cujas moléculas se dispõem de maneira ordenada umas com as outras, como, por exemplo, pedras e metais. A denominação, no entanto, foi empregada para diferenciar um tipo de vidro, inventado na Inglaterra, no século XVII. Os fornos das vidrarias da época eram alimentados com madeira e para economizar esse material, se buscou produzir um vidro que fundisse a uma temperatura mais baixa, o que foi conseguido com a adição de chumbo. Ao mesmo tempo, se obteve um vidro mais cristalino, maleável e de fácil lapidação, que passou a ser conhecido como "cristal ao chumbo". Hoje é diferente. Os chamados cristais não são mais vidros adicionados de chumbo. Novas tecnologias de polimento permitem a fabricação de um vidro limpo, claro e cristalino, sem adição de metal pesado, com a mesma beleza do "cristal".

 

TIPOS DIFERENTES DE VIDRO

O vidro de uma janela, de uma garrafa e de um bulbo de lâmpada não tem diferenças acentuadas na sua composição. As diferenças ocorrem é no processo de produção.

 

O MAIOR VIDRO DO MUNDO

A maior peça de vidro feita pelo homem até o presente é a base de um espelho de telescópio, instalado no Cerro Pantanal, nos Andes chilenos. O telescópio está em operação desde maio de 1998 e a peça de vidro tem diâmetro de 8,2 metros, espessura de 17,7 centímetros pesa 23 toneladas. Para evitar que a peça trincasse durante o seu resfriamento, devido às tensões mecânicas, o vidro foi esfriado de forma controlada de 800 graus C até a temperatura ambiente ao longo de 3 meses e meio.